quinta-feira, 13 de maio de 2010

Rotina não, redação.


Chego de manhã, ligo o computador da agência, e lá está ele, piscando para mim. Sim, aquele traço na página do Word, dizendo incessantemente: escreva, escreva! É o desafio do “papel” em branco de todo dia, de cada novo trabalho, de cada nova ideia que precisa sair da cabeça e ganhar forma por meio de um amontoado de letras.

Você, publicitário, redator, ou mesmo sendo o cara da direção de arte,sabe do que estou falando. Criar. Utilizar a cabeça para outra coisa sem ser para sustentar uma cabeleira vermelha ou sei lá de que cor. Pensar, pensar e... Pensar!

O redator publicitário não pode gostar de rotina. Porque cada dia tem algo novo para fazer, um novo cliente, um novo trabalho, completamente diferente do anterior. Em um mesmo dia, pode ser solicitado a criar um anúncio para uma maternidade e outro para uma funerária. Por isso ele é meio louco, porque precisa sentir um pouco de cada coisa, num só dia, de uma vez.

Além disso, vale lembrar das vezes que ele precisa anunciar um puta produto com apenas uma palavra ou propalar objetos dos quais nem o Google ouviu falar. Ok, exagerei. O Google sabe tudo, embora nem sempre tenha todas as explicações que precisamos. Não é moleza.

Enfrentamos também o problema do “cara da arte”, que sempre tesoura nosso texto para criar um layout “maneiro”. Cada um com o seu problema. Aliás, problema mesmo é criar um título fodástico, digno de uma W/McCann, e não ser aprovado por nosso querido cliente. Queremos morrer. Matar. E nossa ira aumenta quando ele começa a palpitar e transformar nossa “obra de arte” em dejeto sólido não-reciclável. A gente até chora.

Mas, como todo “job” tem suas compensações, a nossa é ouvir de alguém que entende do assunto: seu texto ficou “ducaralho”. E então, junto com a arte, pensamos em expor ele no nosso blog pessoal, porque conhecemos muito bem a imprevisibilidade de cada dia. Sabemos que amanhã esse mesmo cara pode dizer: "ficou uma merda". E a gente tem que aceitar.

3 comentários:

Karam Valdo disse...

Ás vezes eu sinto que o novo é minha rotina. tenho que me conter para não tentar começar algo novo. Ou - pior - não abandonar algo que eu acho velho. É como um vício de sentir aquela sensação do desconhecido. e olha que sou um pouco conservador.

Deco disse...

Cara, mt foda seu texto, sinceramente, de um aspirante a redator para uma redatora (que sabe realmente seduzir um leitor com as palavras).

Eu estou iniciando no ramo, consegui um estágio aqui no rio agora, gostaria de saber, se poderia te mandar um email, para pegar dicas,quem sabe, vc olhar meu porfolio, que tal? meu email é decoartilheiro@hotmail.com Tomei a liberdade de pegar seu email, tem algum problema?

Beijos

Tiago Castro disse...

Muito bom esse texto! :-)

E isso acontece também em outras área. As vezes uma grande sacada do planejamento é "cortada" por outros departamentos! E assim caminha a propaganda!