domingo, 18 de maio de 2008

Saudades de mim...


Ontem fui assistir uma palestra com o Washington Olivetto. Gostei muito! Até da falta de modéstia que lhe é peculiar! heheh, mas enfim, tirei bom proveito de suas palavras, e sim... chorei assistindo a nova propaganda do bombom "Serenata de amor", é linda mesmo! Passei a tarde com a Dressa, a Bruna e a galera da facul, e voltei pra casa... O dia foi ótimo, exceto seu final, que como tudo na minha vida, sempre aparece alguém querendo estragar... E hoje, não foi um dia legal... Voce já sentiu vontade de sumir? Pois é.. faz tempinho que tenho essa vontade, queria ficar uns 6 meses longe daqui, pra distrair pelo menos, esquecer das preocupaçoes e pressões... quem sabe esquecer de mim mesma!

Saudades Imensas...

... da minha cabeça sem preocupações, da velha fazenda, do orvalho na grama, dos banhos de mangueira, da caminhada no jardim, dos banhos de riacho, da chuva e das poças que ela formava, dos tombos a cavalo (bom, cair do cavalo, caio até hoje rs), das tardes jogando vôlei, das noites jogando mega-drive, das manhãs andando de bicicleta (nem bicicleta tenho mais!), da primeira palavra que eu li, do piquenique na calçada, das árvores que subi pra poder ver "mais longe", do clube depois da aula, do natal iluminado da cidadezinha, das fogueiras de são joão, do frio q passei no onibus, da neblina de Serra Negra, da rave q eu odiei, dos amigos que eu perdi, dos churrascos que nunca mais serão os mesmos, da advertencia no primeiro colegial, do tombo na piscina (que me deixou uma cicatriz até hoje no joelho!), do fanatismo pelos Backstreet boys, do brigadeirao da padaria (que já não é o mesmo), de uma musica que eu gostava e nem sabia quem cantava, do meu chinelo amarelo fluorescente, das manhas que eu podia acordar 10 horas, da gincana do Cefam, do tombo na chuva em taquaritinga, da minha mãe, das voltas no coreto que a gente dava, de todas as manhas que ela me levava lá fora pra ver o sol nascer (ai.. e agora eu vou chorar...), do chuveirão ao ar livre que tinha no sitio, da primeira vez que eu olhei num telescópio, de quando eu achei que as luzes dos postes eram faróis de carros parados numa longa rua de Rio Preto (tá vai.. eu nunca tinha morado numa cidade grande antes...) saudades até da barra que eu enfrentei pra desistir de enfermagem, dos passeios pelas barraquinhas que vendiam camisetas de banda, do filme que mais me fez chorar até hoje (Fenômeno), das risadas nos recreios da escola, de quando eu achava que o barulho dos grilos eram as estrelas que faziam, de quando eu deitava no colchão na sala pra assistir mickey e pica-pau, da felicidade em passar na prova do cefam, de desenhar de giz no quintal, de desenhar.... das poesias que eu nao faço mais, de aguardar pela festinha de aniversário, da primeira vez que eu vi o mar, do medo do vestibular, dos abraços dos familiares q eu nao ganho mais, da minha inocência (embora digam q eu ainda tenho um pouco dela), da familia unida e completa, do primeiro salário q usei pra comprar meu violao (e q hoje nem lembro mais tocar), de quando eu pintei meu cabelo de roxo, de alguem que está longe (mas que as vezes prefere, bom sei lá!...) e das experiencias lindas e únicas... saudades de mim... enfim de tantas coisas... que daria um livro! Mas o passado é lição para se meditar, não se reproduzir. E eu tenho esperança de um bom futuro!!! (ahh... esquece tudo isso, deve ser síndrome de domingo a noite sozinha...)

Um comentário:

DressA disse...

Caramba, eu tb tenho essa síndrome nos domingos à noite hehehe

Me bateu saudade tb de varias coisas que vc cita aí! e de outras tantas que vem na mente...

MAs eh assim mesmo, td vai ficando no passado, construindo nossa historia e nos dando bases para o futuro!

bjão maninha!