quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Além da Democracia...

"Democracia é oportunizar a todos o mesmo ponto de partida. Quanto ao ponto de chegada, depende de cada um."

Este não é o tipo de texto que costumo postar aqui e tampouco pretendo começar a falar sobre política no meu blog. É apenas uma exceção devido à fase que atravessamos. O fragmento que segue abaixo da breve introdução (O voo 0666) é de autoria de Rubem Alves, e retirei de um de seus livros que li há pouco.

Mais do que defender a “democracia” e o candidato que você escolheu, é importante estar atento, saber avaliar quem realmente está preparado e tem competência para governar o país. E tentar fazer do Brasil um lugar melhor é compromisso que deve sobrelevar a “fidelidade partidária”.

Acho que a democracia perde um pouco o sentido quando passa a contabilizar mais pessoas disputando quem tem o melhor candidato do que pleiteando seus verdadeiros ideais. Competência para comandar um país vai muito além de um nome e/ou uma sigla.

É preciso cultura, conhecimento, pulso. Às vezes acho necessário, e até inteligente, ignorar o que dizem as pesquisas, afinal, “seguir a boiada” nem sempre é a atitude mais sensata. É preciso pensar com a própria cabeça: abandonar o comodismo, ser curioso, pesquisar, investigar.

Nesses meses que antecedem as eleições é bom inferir sobre nossa liberdade eleitoral, estar por dentro de tudo o que acontece, com todos os candidatos. Que esse pequeno texto o leve a uma breve reflexão e o ajude a fazer a escolha certa. Porque quem reflete pouco, acaba errando muito.

O voo 0666
“Senhores passageiros do voo 0666, Paris-São Paulo, da TARIG, linhas aéreas democráticas”. A voz soou metálica na sala do aeroporto onde os passageiros aguardavam o início do embarque. Cessaram imediatamente as conversas, fez-se silêncio e os passageiros trataram de prestar atenção nas instruções que se seguiram. A voz continuou: “A TARIG, linhas aéreas democráticas, no esforço para democratizar os seus serviços, avisa os senhores passageiros que dentro de alguns minutos terá início uma assembleia livre soberana para a escolha democrática do piloto que comandará o voo Paris-São Paulo.

Os candidatos poderão se inscrever no balcão da empresa devendo, para isso, preencher as seguintes condições: (1) ser maior de idade; (2) dar prova de ser capaz de assinar o nome”. Fez-se um grande silêncio na sala de embarque. Os passageiros, olharam uns para os outros, incrédulos, pegaram suas bolsas, pastas e mochilas e em silêncio deixaram vazia a sala da TARIG, linhas aéreas democráticas, e foram em busca de uma linha aérea que, sem ser democrática, fosse inteligente e que escolhesse seus pilotos por competência e não por voto da maioria.

2 comentários:

Pedro André Ludwig disse...

complementando ... sempre se ouve na mídia que o eleitor deve votar de forma consciente ... mas será que os partidos não deveriam também ser mais conscientes na hora de aprovar seus candidatos?

Bruna disse...

Nossa concordo demais! Inelizmente enquanto o voto for obrigatório vai ser essa "Putaria" (perdão da palavra) de sempre. Não vejo o voto sendo obrigatório como parte de um pais democrático! Ai que está o erro! As pessoas simplesmente votam. Não querem nem saber quem é. E ainda mais se o cara oferecer uma ajudinha, um carinhosinho, um mimo. Infelizmente é muito triste essa realidade. E ainda mais, o que me deixa mais p. é ver nas proagandas, um falando mal do outro. No governo x faltou isso, no y faltou aquilo! Nenhum governo vai resolver todos os problemas do mundo! Muita coisa vai ficar. E na hora de escolher devemos pensar nisso. Quem tem a ver com meu propositos, meus valores e meus principios!? Qual vai fazer mais pelo pais? Politica é pensar em todos, não só no umbigo!

Beijos, flor!