quarta-feira, 18 de agosto de 2010

O destino que eu quero, eu faço


“O destino conduz os que querem ser conduzidos e arrasta os que
não querem. Eu tenho andado mais ou menos de arrasto,
Nem sempre quero ir para onde o destino me leva."

Você acredita em destino? Sei lá, me deu vontade de escrever um pouco sobre isso. Nas discussões que envolvem o tema a dialética é sempre a mesma: há quem afirme que ele é traçado assim que nascemos e quem acredite que ele é moldado de acordo com as nossas vontades.

Uns preferem não se preocupar, dizendo que o destino não dependerá de suas atitudes para se cumprir. Talvez seja cômodo pensar assim, afinal, para quê lutar por algo se ele não estará no nosso futuro? Outros, têm a certeza de que o destino vai se formando nos momentos de decisão. Hoje eu faço parte do segundo grupo.

Mas acreditei, em boa parte da vida, que o destino fosse aquela coisa bacana, que “pela ordem natural do universo” faz tudo dar certo no final. Assim como nos filmes da Disney e nas novelas do SBT. “Oh, mas o destino fará com que fiquem juntos no final! Ah, está no destino dela ser feliz e ter uma carreira brilhante!”. Se lutarem por isso, sim. Se ficarem a “mercê” do destino e de braços cruzados, jamais.

E ainda há outra vertente: enquanto uns criam os acontecimentos, outros suportam o que acontecem na sua vida atribuindo às causas como sendo impostas pelo destino. É fácil usar o destino como uma “desculpa” para o fracasso, mais fácil que admitir nossas falhas, não é?

Embora eu já tenha causado uma breve discussão no Twitter por causa dessa palavrinha, continuo com minha tese de que destino é a gente que faz. EU decido quem eu quero ser, não o destino. Eu cultivo os amigos que quero, seleciono os livros que eu leio, opto pelos valores que abraço. Vou para onde quero viver.

Destino eu faço quando me levanto do comodismo do meu sonho e vou à luta para torná-lo real, mesmo que eu precise criar o que quero para ser parte daquilo. Caso contrário, o ”livre arbítrio” não teria sentido algum. Desde as minhas mínimas escolhas, todas elas formam o meu destino. O destino que eu quero.

Como diria Jack Welch: "Controle o seu destino ou alguém controlará." E você? Quer ser dono do seu destino?

16 comentários:

Pedro André Ludwig disse...

Concordo com tudo. Pensamento lúcido, absolutamente correto. Assino embaixo.

Paulo disse...

Olá :)

Eu também penso mais ou menos assim, que sou eu que crio o meu destino...
embora eu veja o destino como o ponto de chegada, tal como numa viagem em que há o ponto de partida e o de chegada (destino), dizem que a vida é uma viagem e o destino é o ponto final, a meta...mas isto vendo a vida do começo ao fim, pois no dia a dia tenho de fazer escolhas para tudo e cada escolha é uma "viagem" e cada viagem tem uma consequência ("destino")...
É quase como semear para mais tarde colher...e quem semeia ventos pelo caminho, mais tarde vai colher tempestades, talvez por isso digam que cada um tem aquilo que merece...
É complicado falar disto do destino, pois há tanto por onde lhe pegar e por causa disso, eu que apenas deveria comentar, acabei por "blogar" aqui que não é o meu blog, lol :))
(Perdoa-me Karina)

Carlos Rocha disse...

É algo que também me intriga muito...será que existem uma ordem para que as coisas aconteçam? Pode até ser, mas acredito e concordo com você que nós traçamos nosso destino, o vento sopra igual para todos, mas há quem prefira seguir o rumo do vento e acomapá-lho por diversos caminhos, ou como comentou, há quem queira ser arrastado pelo mesmo.
As coisas podem acontecer naturalmente, mas nós tomamos as decisões, nós fazemos a escolha, quem ficar parado o dia todo, não produzirá (como diz Samuel Klein), quem levantar e ir à luta, bons frutos colherás.
Parabéns, mais uma vez, por mais un excelente texto.

Wesley Viana disse...

"Ah, se o que eu sou
É também o que eu escolhi ser
Aceito a condição"
Gostei do blog!

Junior disse...

Digamos que o destinho é algo que nos intriga e nos move também. Nem sempre é nossa vontade ir para um caminho e depois retornar e nem sempre é o destino que vem ao nosso encontro..

Acredito que somos motivados a ir em busca sempre de algo, não importa o que, mas sempre buscamos. E se de repente for o destino ou o acaso, sejam bem vindos..

Nossa me perdi. Mas gostei muito desta postagem e fez eu repensar em algumas coisas..

Continue assim. .. sou seu fã.

Josy Caetano disse...

Ai ai ai.. Assuntinho complicado, heim?! rs
Bom.. Eu acredito como vc, que a gente conduz o nosso destino. Só que, ao mesmo tempo acho que o que tem ser, vai ser e não adianta a gente tentar fazer diferente.
Sabe qdo dizem "você está onde tem que estar"? Então...
Adoro seus textos, e me vejo em muitos deles!!!

Fernanda Gomes Luz Braga disse...

Se o destino estivesse completamente traçado, todo o esforço diário seria em vão...bastaria nascer e esperar acontecer, não é mesmo? Também sou do segundo grupo...mas, assim como a Josy, acredito que tem um "soprinho" que nos ajuda a tomar um rumo em alguns momentos...vai entender...o importante é fazer aquilo que os nossos valores, índoles e corações mandam !!!

Adoro seus textos...a melhor coisa que um pisciano deve fazer é tentar escrever os seus milhões de pensamentos, e vc o faz mto bem !!!

Beijos

Sérgio disse...

Sem dúvida alguma, nosso destino é formado como são formadas as palavras em um romance ou épico. Se nossa jornada em vida é feita de metas e sonhos e são nas entrelinhas que construímos os alicerces para respectivamente, alcançá-las e realizá-los, acredito que somos nós quem regemos todos os acontecimentos. Não há nada premeditado, devemos esperar o inesperado e tornar o plano B constante sob o A, pois é na nossa capacidade de sermos criativos e geniosos que reside a chave para a felicidade. O destino jamais é obscuro para aqueles que enchergam o brilho do amanhã desde o nascer do hoje. Não existe nada constante e aquele que reflete sobre seus declínios com a desculpa de que "é o destino" nada mais é do que uma mente estagnada, incapaz de mudar o curso de seu próprio caminho.

Raphael disse...

O destino é uma abstração. É fantasia. Não é razão. É o termo que as pessoas utilizam para expressar pontos finais: O destino dele era ser arquiteto, era sofrer amorosamente, era roubar e ser preso.

O destino é crença. É acreditar que somos o que somos porque um deus, ou a suposta posição das estrelas do céu no dia do nosso nascimento, ou uma praga rogada, assim quis.

O ser humano, quando ACHA (por total ignorância) que não possui o controle das rédeas do mundo, inventa os controladores. O destino é a mais potente destas forças. É a mesma coisa de falar em "vontade de Deus". Se o meu destino é ser piloto de avião, eu posso acabar com ele agora com um tiro na cabeça. Mas aí outros virão e dirão que o meu destino era o suicídio.

Nossa trajetória no mundo depende dos trajetos que percorremos. De todas as estradas que pegamos, de todas as vias que atravessamos ou que nos atravessam. O resultado disso tudo é a vida. A vida não é definível, pois não é exata. A morte sim.

Não é possível viver num mundo onde nossos pensamentos e atos já estão definidos, pois isso já é a negação da própria vida.

E um beijão!

Elizabeth ~ disse...

Que Louco, já cheguei a pensar sobre o assunto exatamente assim, e concordo que o destino realmente somos nos quem fazemos, ou controlamos, acredito até que essa palavra seria mas usada as pessoas que não lutam pelos sonhos, são as pessoas que deixam acontecer, vai depender da sorte de seus destinos né, se será bom ou não! mas até quando puder, nos escolhemos e mudamos diretamente nossas vidas, corremos atras dos nossos sonhos! e o "destino" será sempre apenas uma palavra, para designar o que nos acontece que não temos explicação! rs... belo texto parabéns!

beijos

Jack disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
jefhcardoso disse...

Katheryna, concordo com você. Acho que somos nós quem faz o nosso destino. Destino é final, não é meio. O destino é a cada dia.

Abraço do Jefhcardoso do http://jefhcardoso.blogspot.com

Mayra Stevanato disse...

texto marvilhoso, um pensamento estraordinárioo !
lindo, meus parabéns ;D

Carol Bortolo disse...

Seguindo seu blog por concordar com suas palavras, que disseram um pouco do que tentei transformar em frases hoje. Obrigado por me ajudar a me entender ;)

J.a.s disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
J.a.s disse...

Muy cierto , el destino tiene hasta determinado limite de autonomia , el dia en que en el individuo (ser indivisible con lo trascendental )vuelve a despertar y renacer en vida ,el destino serà formado por cada uno de nosotros.
Tomando decisiones en cada momento con sus respectivas consecuencias .
dicen que "somos dueños de nuestars decisiones ,pero no de las consecuencias de nuestros actos "

Saludos KAtheRyNA =)