domingo, 1 de agosto de 2010

“No meio do espinho tinha uma rosa, tinha uma rosa no meio do espinho"


Sim, lhe é familiar essa frase. É inegável que a poesia de Drummond marca de alguma forma a vida de quem conhece sua originalidade. Em “No meio do caminho tinha uma pedra, tinha uma pedra no meio do caminho”, Drummond expressa situações de dificuldade, impasse, de “impedimentos” que nos surpreendem em nossa caminhada. São obstáculos que enfrentamos e, de alguma forma, acabam deixando cicatrizes, que nem o tempo apaga... “Nunca me esquecerei que no meio do caminho, tinha uma pedra”.

Quando observei e fotografei essa pequena rosa, em meio a tantos espinhos, o poema de Drummond me veio à mente... Assim como nos deparamos, frequentemente, com pedras em nosso caminho, é comum defrontar-nos com os “espinhos” das “rosas” que cercam o jardim de nossas vidas... As fraquezas daqueles que estão ao nosso lado. É preciso saber conviver com esses espinhos e extrair apenas o “perfume”, a essência, o que cada um tem de melhor, mesmo porque somos dotados tanto de virtudes quanto de defeitos. Somos flores entre espinhos, assim como temos pedras pelo nosso caminho... É preciso aceitar, para ser aceito. Quebrar pedras e cuidar das flores...

3 comentários:

Pedro André Ludwig disse...

que beleza, adorei a mensagem!

Carropa disse...

Karina...Dummont foi um grande poeta do modernismo Brasileiro...suas mensagens trazia a realidade em que se vivia na epoca...as dificuldades,as transformações politicas, o progresso ... e até hoje seus poemas nos apresenta esta caractiristica...."No meio do caminho tinha uma pedra, tinha uma pedra no meio do caminho" já diz tudo...dificuldades ...problemas...a dor ...enfim,lindo poema...e obrigado Carlos Dummond de Andrade

Elizabeth ~ disse...

adorei, disse tudo! adorei o pensamento, e drummond tb arraza! rsrs... bjuus um otimo dia! ;D