domingo, 29 de agosto de 2010

A felicidade mais simples


Eu estava entristecida há alguns dias, e nem sabia exatamente o porquê. Não chegava a ser pungente, mas uma tristezinha de papel fino, dessas que envolvem os nossos pensamentos. Você deve saber do que estou falando.

Acho que nossas angústias geralmente estão ligadas às perdas: nos apegamos demais às coisas, ao tempo, às pessoas. Esquecemos que as coisas se acabam, o tempo passa, e as pessoas se vão. E as pessoas que se vão, ah... Muitas vezes deixam marcas irreparáveis.

Em dias assim gosto de ir a lugares que me inspirem, para sentar, refletir, observar tudo a minha volta. Sempre fui uma dessas pessoas que gostam de olhar o pôr-do-sol, sentir o vento, a chuva, mas eu gostava de fazer isso com “ele”... Já dizia Drummond que de “mãos dadas” tudo pode ficar mais bonito.

Acredito que uma bela paisagem não tem muito sentido quando não pode ser compartilhada, talvez seja como possuir um belo quadro e guardá-lo dentro do armário, só para você mesmo vê-lo.

Mas eu não queria lembranças e sabia que enquanto não praticasse a "arte do desapego" e aprendesse a encantar-se com as pequenas coisas, ficaria impraticável atravessar os dias. Comecei então a procurar sorrisos, para descobrir o que fazia cada uma daquelas pessoas felizes.

Observei por um bom tempo uma mulher de aproximadamente 40 anos, que aprendia a andar de bicicleta. Ao errar e quase cair, ela sorria, meio sem jeito, talvez com vergonha das pessoas que caminhavam naquela travessa. Sua felicidade era quando conseguia pedalar alguns metros. E isso eu via no brilho dos olhos dela.

Uma criança descalça, na beira do rio. Olhava para os seus pés e divertia-se com a sensação do chão crescer macio sob eles... Não se importava em sujar a barra da calça, só queria ‘sentir’. Outra garotinha saboreava um algodão doce e, com uma olhar inocente, brincava com a leveza do açucar em forma de nuvem. Aliás, acho mesmo que as crianças sejam mais felizes que nós: são puras, podem enxergar a felicidade nas pequenas coisas, como alimentar os pombos ou soltar pipas.

E quanto a nós? Vamos depender de “outro” para contemplar o belo? Vamos esperar pelo “outro” para ser feliz? Esperar o inverno passar? Cada um pode encontrar, todos os dias, algo que desperte sorrisos. Parar para ver a Lua ou ouvir o som da chuva batendo nas folhas. Ler um bom livro embaixo de uma árvore. Escrever um livro. Plantar uma árvore. Você não precisa de alguém para fazer tudo isso.

Cultive agora mesmo a felicidade mais simples, incondicional, que há "aí dentro". Eu, por exemplo, fiquei feliz hoje ao encontrar raras flores de cerejeira. Elas são como os ipês: florescem no inverno, avesso às outras flores que ficam esperando pela Primavera...

14 comentários:

Wesley Viana disse...

Nesses momentos de "coração apertado" sinto que preciso dar um novo significado as lembranças.. mas isso só vem com o tempo!
parabéns pelo post.. muito verdadeiro!

edubernard disse...

Como já dizia o maestro brasileiro "A felicidade é como a gota
De orvalho numa pétala de flor
Brilha tranquila
Depois de leve oscila
E cai como uma lágrima de amor"

Tudo é finito.
Extrair o bom de cada uma dessas coisas é o que faz valer a pena.
Aprender com a perda é o que nos faz crescer e dar valor.
Em uma frase solta por aí dizia "quando se tem saudade de coisas pequenas, significa que elas são realmente grandes"

Compartilho da experiência deste texto... assim como muitos, senão todos, mesmo qua ainda não saibam...

Luiz Amorim disse...

Acho que sou o tipo de pessoa pouco áspera para esse tipo de comentário, no entanto acho que a felicidade e a tristeza são duas coisas extremamente simples de conseguir. Só que a tristeza preenche de maneira invasiva, e você vai ignorando sintomas mínimos, e quando se dá conta, ela tomou você.

Coisas simples trazem sim a felicidade, e talvez seja o maior clichâ de livros de auto-ajuda. Contudo, coisas simples também trazem tristeza, e se não a quer por perto, fique atenta às coisas mais simples e evite.

Eric do Rêgo Barros disse...

Cada momento ou fase tem a medida exata dos acontecimentos. Lembre-se que mesmo depois das flores vem os frutos que geram sementes para uma nova arvore. A cada dia, a cada momento temos algo para observar e viver intensamente. Mas é sempre diferente mesmo que cotidianamente. É preciso estar atento ao que acontece ao nosso redor. O tempo passa. Observe sempre o momento exato das flores, dos frutos ou das arvores nas pessoas. Sabe que sou seu fã e suspeito para falar sobre o texto. Parabéns por ser você sempre.

Elizabeth ~ disse...

acredito que só podemos contar com nos mesmos, sempre pensei assim, por mais difícil que seja! estar bem, ser feliz, as vzs depende mt de uma companhia, mas nada melhor do que estamos em paz com nosso coração feliz, e com as coisas simples da vida!!! e ai que vem a tona aquelas velhas frases de Shakeaspeare:
"Com o tempo, você percebe que para ser feliz com uma outra pessoa:
Você precisa, em primeiro lugar, não precisar dela."
"Você aprende a gostar de você, a cuidar de você e, principalmente, a gostar de quem também gosta de você.
O segredo é não correr atrás das borboletas... é cuidar do jardim para que elas venham até você. "

"No final das contas, você vai achar não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você!" [...]

Achei lindo seu texto, mt bom como escreves!! dsculpe escrever tanto aki!!! beijos linda, q bom q ta melhor!! felicidades sempre! :*

Junior disse...

Eu inicio o meu comentário com uma de minhas frases:

Eu gostaria de encontrar a Solidão, porque a Felicidade está sentindo sua falta. E viva os contrários !!

Acredito que ser feliz é muito além dos momentos felizes. Eu acredito e propago a felicidade, pois a Solidão é a melhor companhia nestes últimos tempos e é com ela que vou para a eternidade..

Como dizem, que seja eterno enquanto dure.

Sou seu fã.

Junior disse...

Eu inicio o meu comentário com uma de minhas frases:

Eu gostaria de encontrar a Solidão, porque a Felicidade está sentindo sua falta. E viva os contrários !!

Acredito que ser feliz é muito além dos momentos felizes. Eu acredito e propago a felicidade, pois a Solidão é a melhor companhia nestes últimos tempos e é com ela que vou para a eternidade..

Como dizem, que seja eterno enquanto dure.

Sou seu fã.

MAZZINI disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
MAZZINI disse...

Hoje fui com minha irmã na casa de uma garota que eu gosto, ela mesmo, não me deu atenção; mas conversar com o avô dela fui demais, falamos de como era a cidade antes, de política, de quando ele trabalhava na construção da rodovia Amazonas... Conversei com a irmã dela (menor e bem mais inteligente), ela me contou casos de quando era menorzinha, quase jogamos video-game, se não fosse a minha irmã chamar para ir embora.

Conversar com pessoas assim me deixa mais confortado. Ainda existem pessoas de bom coração!

Raphael disse...

Eu precisava ler esse texto, viu...
Para lembrar que nossa felicidade nem sempre reside no outro, ou em UM outro, mas em muitas outras coisas... Não podemos limitar nossas possibilidades de sermos felizes!

Um beijão!

Karam Valdo disse...

Seguir a felicidade é como perseguir passarinho. Temos que aprender a sentir a sua presença, ouvir seu canto por perto.

Abração, obrigado pelo texto.

Karam - www.inspirefundo.posterous.com

Karam Valdo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Meny disse...

oie... amore.... o que dizer com tudo que escreveu...???? Vc sabe que sempre admirei o que Vc escrevia na escola... lembras as musiquinhas... dos Backstreet Boys, as musiquinhas com o nome do Kaká, Diego.... kkkk, eu, Vc e a Ju.... quero dizer que tudo que escreveu, merece parabéns.... Bjs e muito sucesso publicitária

Carlos Rocha disse...

Como diz aquela velha história: "Devemos amar primeiramente à nós"(!) - Temos o costume sentimental de ter as mãos dadas com outro alguém para poder contemplar os belos momentos da vida, mas esquecemos que cada minuto que esperamos, perdemos a oportunidade de desfrutar estas mesmas lindas cenas da vida.
Que tenhamos tempo de não esquecer de aproveitar cada simples segundo da vida.

Lindo texto, mais uma vez. Parabéns!